Manual do usuário

ONU R1

Versão deste manual: 1.30

ONU R1

1. Modem Óptico GPON/EPON

Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras.

A ONU possui 1 porta de uplink PON atendendo nas velocidades: 2.5/1.25 Gbps de Downstream/ Upstream, além de possuir 1 porta Ethernet, sendo essa Gigabit. A ONU Intelbras foi projetada para implementações avançadas e fornece uma alternativa de baixo custo e alto desempenho para solução GPON/EPON. Sua instalação e gerenciamento podendo ser feitos através da interface web, de forma rápida e fácil.

ATENÇÃO: esse produto vem com uma senha-padrão de fábrica. Para sua segurança, é IMPRESCINDÍVEL que você a troque assim que instalar o produto.

Este é um produto homologado pela Anatel, o número de homologação se encontra na etiqueta do produto, para consultas utilize o link sistemas.anatel.gov.br/sch

2. EXPORTAR PARA PDF

Para exportar este manual para o formato de arquivo PDF, utilize o recurso de impressão que navegadores como Google Chrome® e Mozilla Firefox® possuem. Para acessá-lo, pressione as teclas CTRL + P ou clique aqui. Se preferir, utilize o menu do navegador, acessando a aba Imprimir, que geralmente fica no canto superior direito da tela. Na tela que será aberta, execute os passos a seguir, de acordo com o navegador:

Google Chrome®: na tela de impressão, no campo Destino, clique em Alterar, selecione a opção Salvar como PDF na seção Destinos locais e clique em Salvar. Será aberta a tela do sistema operacional solicitando que seja definido o nome e onde deverá ser salvo o arquivo.

Mozilla Firefox®: na tela de impressão, clique em Imprimir, na aba Geral, selecione a opção Imprimir para arquivo, no campo Arquivo, defina o nome e o local onde deverá ser salvo o arquivo, selecione PDF como formato de saída e clique em Imprimir.

3. CUIDADOS E SEGURANÇA

Esta seção apresenta os padrões adotados no gerenciador web e neste manual.

3.1. Proteção e segurança dos dados

» Observar as leis locais relativas à proteção e uso de tais dados e as regulamentações que prevalecem no país.

» O objetivo da legislação de proteção de dados é evitar infrações nos direitos individuais de privacidade baseadas no mau uso dos dados pessoais.

» LGPD - Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais: este produto faz tratamento de dados pessoais, porém a Intelbras não possui acesso aos dados a partir deste produto. Este produto possui criptografia no armazenamento dos dados pessoais.

3.2. Diretrizes que se aplicam aos funcionários da Intelbras

» Os funcionários da Intelbras estão sujeitos a práticas de comércio seguro e confidencialida- de de dados sob os termos dos procedimentos de trabalho da companhia.

» É imperativo que as regras a seguir sejam observadas para assegurar que as provisões estatutárias relacionadas a serviços (sejam eles serviços internos ou administração e ma- nutenção remotas) sejam estritamente seguidas. Isto preserva os interesses do cliente e oferece proteção pessoal adicional.

3.3. Diretrizes que controlam o tratamento de dados

» Assegurar que apenas pessoas autorizadas tenham acesso aos dados de clientes.

» Usar as facilidades de atribuição de senhas, sem permitir qualquer exceção. Jamais informar senhas para pessoas não autorizadas.

» Assegurar que nenhuma pessoa não autorizada tenha como processar (armazenar, alterar, transmitir, desabilitar ou apagar) ou usar dados de clientes.

» Evitar que pessoas não autorizadas tenham acesso aos meios de dados, por exemplo, discos de backup ou impressões de protocolos.

» Assegurar que os meios de dados que não são mais necessários sejam completamente destru- ídos e que documentos não sejam armazenados ou deixados em locais geralmente acessíveis.

» O trabalho em conjunto com o cliente gera confiança.

3.4. Uso indevido do usuário e invasão de hackers

» As senhas de acesso às informações do produto permitem o alcance e alteração de qualquer facilidade, como o acesso externo ao sistema da empresa para obtenção de dados e realiza- ções de chamadas, portanto, é de suma importância que as senhas sejam disponibilizadas apenas àqueles que tenham autorização para uso, sob o risco de uso indevido.

» O produto possui configurações de segurança que podem ser habilitadas, e que serão abor- dadas neste manual, todavia, é imprescindível que o usuário garanta a segurança da rede na qual o produto está instalado, haja vista que o fabricante não se responsabiliza pela invasão do produto via ataques de hackers e crackers.

3.5. Aviso de segurança do laser

A ONU R1 Intelbras possui fonte emissora de laser que emite energia luminosa em cabos de fibra óptica. Essa energia está dentro da região infravermelho (invisível) do espectro eletro- magnético vermelho (visível).

Certos procedimentos realizados durante os testes requerem a manipulação de fibras ópticas sem a utilização dos tampões de proteção, aumentando, portanto, o risco de exposição. A expo- sição a qualquer laser visível ou invisível pode danificar seus olhos, sob certas condições.

Atenção: evite exposição direta às extremidades de conectores ópticos. A radiação do laser pode estar presente e prejudicar seus olhos. Nunca olhe diretamente para uma fibra óptica ativa ou para um conector de fibra óptica de um dispositivo que esteja alimentado.

4. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

Especificações Valores
Dimensões(L x A x P) 91 x 27 x 73 mm
Ambiente de operação Temperatura de operação 0°C ~ +50 °C

Umidade relativa: 5% ~ 90%
Ambiente de armazenamento Temperatura de armazenamento: -40 ºC ~ +70 ºC

Umidade relativa: 5% ~ 90%
Fonte de alimentação (externa) Entrada: 100–240 V ~ 50/60 Hz

Saída: 12 Vdc ~ 0.5 A
Ethernet/PON Chipset RTL9601D
Memória Flash 16MB
Mermória SDRAM 64 MB
Interface óptica 1 porta SC/APC
Comprimento de onda: TX: 1310 mm
Comprimento de onda RX: 1490 mm
Potência do sinal +0,5 a +5 dBm
Sensibilidade de recepção máxima - 8 dBm
Sensibilidade de recepção mínima -27 dBm
GPON Em conformidade com ITU-T G.984
1.25 Gbps upstream (transmissor)
2.5 Gbps downstream (receptor)
Sistema óptico classe B+
EPON Em conformidade com IEEE EPON 802.3ah
1.25 Gbps upstream (transmissor)
1.25 Gbps downstream (receptor)
Interface Ethernet 1 porta Gigabit Ethernet (10/100/1000BASE-T Ethernet)
1 conector RJ45
Em conformidade com as especificações IEEE 802.3
Auto MDI/MDIX
Autonegociação
Tipos de configuração Modo Bridge
Endereço LAN estático
Modo Router
Modo PPPoE
Padrões suportados Compatível com ITU-T G.984
Compatível com IEEE 802.3 Ethernet
Compatível com IEEE 802.1q/p VLANs
Compatível com IEEE 802.3ah
Compatível com IEEE 802.3u Fast Ethernet
Compatível com IEEE 802.3ab 1000BASE-T
GPON

» ITU-T G.984 (GPON)

» 32 T-CONTS por dispositivo

» 128 GEM Ports por dispositivo

» Mapeamento flexível entre GEM Ports e T-CONTS com programação baseada em fila de prioridade

» Ativação com descobrimento automático de SN e senha em conformi- dade com ITU-T G.984.3

» Decodificação AES-128 com geração de chave e comutação

» FEC (Forward Error Correction)

» Suporte para Multicast GEM Port

Protocolos suportados Ethernet/IP

» Bridging and switching (802.1D / 802.1Q)

» Quatro classes de tráfego com 802.1p

» 802.3x Flow control

» VLAN tagging/untagging
IPTV IGMP multicast

IGMP snooping
Gerenciamento OMCI (em conformidade com a norma G.984.4)
Web UI
CPE-MGR
TR-069

5. ACESSÓRIOS

     » Fonte de alimentação.

6. GERENCIAMENTO

Neste manual abordaremos a configuração realizada via computador localmente. Entretanto, caso você deseje, pode realizar o processo utilizando a gerência remota disponível após a ativação e configuração da função CPE-MGR disponível na OLT Intelbras.

6.1. Acesso remoto (web)

A ONU Intelbras pode ser gerenciada remotamente por meio da interface web (HTTP) após sua inclusão na função CPE-MGR disponível na OLT Intelbras. O acesso remoto utiliza a VLAN 7 como VLAN de gerenciamento remoto padrão, permitindo que seja atribuído automaticamente um endereço IP quando conectado a OLT Intelbras

6.2. Acesso local (web)

A ONU Intelbras pode ser gerenciada localmente por meio da interface web (HTTP). Este documento utilizará a interface web para exemplificação das configurações.Para acessar a interface web, uma vez conectado à rede via cabo, abra seu navegador de internet e digite http://192.168.1.1 no campo de endereço, será solicitado o usuário e senha para autenticação no sistema, preencha:

Nome de usuário admin
Senha intelbras
Tela de login

Obs.: por motivos de segurança, a Intelbras recomenda que a senha padrão seja alterada.

7. CONFIGURAÇÃO

Após realizada a autenticação no sistema será exibida a interface de configuração da ONU Intelbras.

7.1. Informações do produto

O menu Status fornece informações sobre as configurações do modem óptico, incluindo as interfaces LAN, WAN e PON, além de informações referente ao sistema, como versão de firmware, uso de CPU e memória. É possível navegar entre os submenus para verificar cada tipo de informação disponível.

Informações do sistema

7.2. Interface LAN

Através deste menu é possível realizar configurações da interface LAN.

7.2.1. Configurações LAN

Esta página é utilizada para configurar a interface LAN do modem óptico.

Configurações globais da interface LAN

     » Endereço IP:insira o endereço IP utilizado na interface LAN.

     » Máscara de subrede: insira a máscara de rede utilizada pelo endereço IP da LAN.

     » IGMP Snooping: se habilitado, o modem óptico analisará mensagens IGMP recebidas dos dispositivos conectados na porta LAN, permitindo o ingresso ao grupo multicast (normalmente utilizado em IPTV).

7.2.2. Configurações DHCP

Esta página é utilizada para configurar como o modem óptico atuará como servidor DHCP.

Configurações do servidor DHCP

     » Modo DHCP: selecione a opção desejada: Nenhum ou Servidor DHCP.

           • Servidor DHCP: o modem óptico atuará como servidor DHCP. Os equipamentos conectados na porta LAN que solicitarem as informações para o modem óptico, receberão as informações configuradas.

Modo servidor DHCP

     » Faixa de endereços: insira o endereço IP inicial e final distribuído pelo servidor DHCP.

     » Máscara de subrede: insira a máscara de rede utilizada pelo servidor DHCP.

     » Lease Time: tempo em segundos, em que o endereço IP atribuído para o cliente será válido.

     » Nome de Domínio: nome do domínio atribuído para o endereço IP.

     » Endereço Gateway: insira o endereço IP do gateway que será atribuído para o cliente.

     » Opção DNS: use DNS Relay ou DNS Manual:

           • DNS Relay: neste modo, o modem óptico informará para o cliente que é o servidor DNS e então fará as solicitações DNS requisitadas.

           • DNS Manual: neste modo, os endereços dos servidores DNS devem ser inseridos manualmente.

     » Aplicar: ao pressionar o botão, as novas informações serão salvas no modem óptico.

     » Filtro DHCP: esta opção é usada para configurar o filtro com base na porta.

     » Reserva de Endereço: esta opção é usada para configurar IP estático baseado no endereço de MAC.

     » Exibir clientes: exibe uma lista com o Endereço IP, Endereço MAC e Tempo de expiração de cada cliente DHCP designado.

7.3. Interface WAN

Através deste menu é possível realizar configurações da interface WAN tanto para conexões IPv4 quanto IPv6.

7.3.1. Configurações WAN

Esta página é utilizada para a configuração da interface WAN e também vincular as interfaces LAN que terão acesso aos serviços.

Configurações da interface WAN

     » Seleção da interface WAN: para criar nova interface WAN, selecione New Link. Para modificar uma interface WAN selecione a interface desejada.

     » Ativar VLAN: selecione esta opção para configurar a VLAN utilizada pela interface WAN.

     » Marcação 802.1p: selecione a marcação 802.1p que o modem óptico colocará no pacote quando o pacote for transmitido para o uplink. Caso não for selecionado nenhum valor, o modem óptico colocará 0 (valor padrão).

     » Tipo de conexão WAN: selecione o modo de operação da interface WAN. Para cada modo de operação, serão exibidas as configurações possíveis:

           • Bridge: neste modo, a interface WAN estará em bridge com a porta LAN selecionada. As funções NAT e IGMP Proxy serão desabilitadas.

           • IPoE: neste modo, a interface WAN pode ser configurada como cliente DHCP ou IP Estático.

           • PPPoE: neste modo, a interface WAN será configurada como cliente PPPoE.

     » Ativar NAPT: habilita a interface WAN a realizar NAT. O modem óptico habilitará, por padrão, quando selecionadas as opções IPoE e PPPoE. A intelbras recomenda não alterar esta opção.

     » Admin status: habilita ou desabilita a interface WAN.

     » Tipo de conexão: selecione qual tipo de serviço estará vinculado à interface WAN configurada:

           • Outro/Video: normalmente utilizado para vincular o serviço de vídeo (IPTV).

           • TR069: a interface WAN estará vinculada ao serviço TR-069.

           • Internet: a interface WAN estará vinculada ao serviço de internet.

           • Internet_TR069: a interface WAN estará vinculada ao serviço de internet e TR-069.

     » MTU: tamanho máximo de transmissão do pacote. Altere o valor-padrão definido pelo modem óptico apenas se requisitado por seu provedor de serviço.

     » Ativar IGMP Proxy: se habilitado, o modem óptico encaminhará para o upstream as mensagens IGMP recebidas pelos computadores conectados na interface LAN.

     » Protocolo IP:

           • IPv4: neste modo, a interface WAN apenas permitirá configuração em IPv4.

           • IPv6: neste modo, a interface WAN apenas permitirá configuração em IPv6.

           • IPv4/IPv6: neste modo, a interface WAN permitirá configuração tanto em IPv4 quanto em IPv6.

Configuração do modo Cliente PPPoE

Informações referentes à configuração do modo Cliente PPPoE.

Opções de configuração do tipo de conexão PPPoE

     » Nome de usuário: insira o nome do usuário utilizado para a autenticação PPPoE

     » Senha: insira a senha do usuário utilizado para a autenticação PPPoE.

     » Tipo: selecione o método de conexão:

           • Continuous: opção padrão, altere apenas se solicitado por seu provedor de internet.

           • Connect on Demand: selecione este método apenas se solicitado por seu provedor de internet.

           • Manual: selecione este método apenas se solicitado por seu provedor de internet.

     » Método de autenticação: selecione o método de autenticação:

           • Auto: opção padrão, altere este campo apenas se solicitado por seu provedor de internet.

           • PAP: selecione este método apenas se solicitado por seu provedor de internet.

           • CHAP: selecione este método apenas se solicitado por seu provedor de internet.

     » Nome do servidor: campo opcional, deve ser preenchido apenas se solicitado por seu provedor de internet.

     » Nome do serviço: campo opcional, deve ser preenchido apenas se solicitado por seu provedor de internet.

Configurações no modo de endereçamento IPv6

Ao selecionar a opção IPv6 durante a configuração da interface WAN, serão disponibilizadas as seguintes informações de configuração.

Configuração do endereçamento IPv6 da interface WAN

     » Modo do endereço: selecione o método de atribuição do endereço IPv6 na interface WAN:

           • Slaac: se selecionado, a interface WAN realizará a autoconfiguração do endereço IPv6 global a partir do prefixo recebido da mensagem RA (Router Advertisement).

           • Estático: se selecionado, será solicitada a configuração manual dos endereços IPv6.

     » Endereço IPv6: disponível apenas para o modo Estático. Insira o endereço IPv6 e o tamanho do prefixo, conforme informado por seu provedor de internet.

     » Gateway IPv6: disponível apenas para o modo Estático. Insira o endereço IPv6 do gateway, conforme informado por seu provedor de internet.

     » DNS primário IPv6: disponível apenas para o modo Estático. Insira o endereço IPv6 do servidor DNS primário, conforme informado por seu provedor de internet.

     » DNS secundário IPv6: disponível apenas para o modo Estático. Insira o endereço IPv6 do servidor DNS secundário, conforme informado por seu provedor de internet.

     » Ativar cliente DHCPv6: se habilitado, o modem óptico receberá o endereço IPv6 global e/ou o prefixo a ser delegado em sua interface LAN através de mensagens DHCPv6.

     » Solicitar endereço: ao habilitar, o modem óptico solicitará ao servidor DHCPv6 o endereço IPv6 global.

     » Solicitar prefixo: ao habilitar, o modem óptico solicitará ao servidor DHCPv6 o prefixo que será delegado em sua LAN.

     Obs.: ao ativar a opção Cliente DHCPv6, pelo menos uma das opções deverá ser selecionada.

Obs.: ao habilitar a opção Solicitar prefixo certifique-se que a opção DHCPServer (Auto) esteja selecionada no menu IPv6>DHCPv6.

Configuração do modo Cliente IPoE

Informações referentes à configuração do modo IPoE (IP Estático ou Dinâmico).

Opções de configuração do tipo de conexão IPoE

     » Tipo: selecione o modo de operação da interface WAN:

           • IP Fixo: neste modo, será necessário inserir manualmente todas as informações da conexão WAN.

           • DHCP: neste modo, a interface WAN será configurada automaticamente, conforme informações enviadas por seu provedor de internet.

     » Endereço IP Local: disponível apenas no modo IP Fixo. Insira o endereço IP da interface WAN, conforme informado por seu provedor de internet.

     » Máscara de subrede: disponível apenas no modo IP Fixo. Insira a máscara de rede utilizada pela interface WAN, conforme informado por seu provedor de internet.

     » Gateway: disponível apenas no modo IP Fixo. Insira o endereço IP do gateway utilizado pela interface WAN, conforme informado por seu provedor de internet.

     » Requisitar DNS: se habilitado, o endereço DNS utilizado pela interface WAN será atribuído automaticamente pelo seu provedor de internet. Disponível apenas para o modo DHCP.

     » Servidor DNS primário: disponível apenas se Requisitar DNS estiver desabilitado. Insira manualmente o endereço do servidor DNS primário.

     » Servidor DNS secundário: disponível apenas se Requisitar DNS estiver desabilitado. Insira manualmente o endereço do servidor DNS secundário.

7.3.2. Interface WAN padrão

Quando a ONU é direcionada para enviar um pacote para um endereço IP que não está definido na tabela de rotas o endereço IP desta interface será usado como o endereço de origem.

Interface WAN padrão para o sistema

     » Interface WAN: selecione se a interface WAN será a interface padrão do modem óptico. Apenas uma interface WAN pode ser definida com padrão.

7.4. QoS

Através deste menu é possível configurar a função QoS (Quality of Service) para fornecer qualidade de serviço a vários requisitos e aplicações utilizados na rede, otimizando e distribuindo a largura de banda.

7.4.1. Política QoS

Nesta página é possível habilitar e configurar a função QoS do modem óptico.

Configuração global da função QoS

     » QoS: se habilitado, o modem óptico priorizará o tráfego conforme configurações realizadas.

     » Configuração da fila QoS: selecione o tipo do método de escalonamento:

           • PRIO: neste modo (Strict Priority), a fila com maior prioridade ocupará totalmente a largura de banda. Os pacotes em fila de menor prioridade somente serão enviados após todos os pacotes de filas com maior prioridade serem enviados.

           • WRR: neste modo (Weight Round Robin) os pacotes de todas as filas serão enviados de acordo com o peso de cada fila, este peso indica a proporção ocupada pelo recurso.

           • Ativar: se habilitado, o modem óptico ativará a fila de prioridade.

           • Peso: disponível apenas no modo WRR, e indica o peso da fila.

7.4.2. Classificação QoS

Nesta página é possível visualizar regras de classificação QoS.

Configuração de regras de classificação QoS

Para adicionar novas regras, clique em Incluir:

Adicionar regras de classificação QoS

     » Nome da regra: insira um nome para regra.

     » Ordem da regra: insira a prioridade da regra.

     » Atribuir IP Fila/DSCP/802.1p: selecione como o modem óptico atribuirá as informações de QoS no pacote:

           • Precedência: o pacote será atribuído na fila configurada.

           • DSCP: valor DSCP adicionado ao pacote Ethernet.

           • 802.1p: valor 802.1p adicionado ao pacote Ethernet.

     » Tipo de Regra QoS: selecione como o modem óptico identificará o pacote para a realização da classificação QoS:

           • Porta: as atribuições de QoS serão aplicadas a qualquer pacote recebido na porta especificada.

           • EtherType: as atribuições de QoS serão aplicadas apenas para os pacotes recebidos que possuem o ethertype especificado.

           • Protocolo IP: as atribuições de QoS serão aplicadas apenas para os pacotes recebidos, conforme os vários parâmetros de configuração. Ao não preencher algum dos campos entende-se como qualquer valor.

           • Endereço MAC: as atribuições de QoS serão aplicadas apenas para os pacotes recebidos que possuem o endereço MAC (origem e/ou destino) especificado.

Obs.: a regra somente será aplicada após ser adicionada e pressionado o botão Aplicar.

7.4.3. Controle de tráfego

Nesta página é possível configurar o limite total de banda da interface PON.

Configuração de limite de banda

     » Controle de tráfego: selecione Ativar ou Desativar controle de tráfego.

     » Largura de banda total: insira a largura de banda máxima para a interface WAN. O valor informado é em kb.

Regras de controle de banda

Nesta opção você pode adicionar ou remover regras específicas de controle de banda. Para adicionar novas regras, clique em Incluir:

Configuração controle de banda

     » IP versão: selecione versão de IP utilizado pela regra.

     » Direção: selecione a direção que a regra sera utilizada.

     » Protocolo: selecione o protocolo utilizado pela regra.

     » IP de origem: insira o IP de origem que será aplicado à regra.

     » Máscara de origem: insira a máscara de rede do IP de origem que será aplicada à regra.

     » IP de destino: insira o IP de destino que será aplicado à regra.

     » Máscara de destino: insira a máscara de rede do IP de destino que será aplicada à regra.

     » Porta de origem: insira a porta de origem que será aplicada à regra.

     » Porta de destino: insira a porta de destino que será aplicada à regra.

     » Taxa: insira a largura de banda máxima para a regra. O valor informado é em kb.

Obs.: a regra somente será aplicada após pressionado o botão Aplicar.

7.5. Segurança

Através deste menu é possível configurar regras para filtro de pacotes, controlando o acesso ilegal à rede.

7.5.1. Gerenciar acesso

Nesta página é possível configurar diferentes maneiras de acesso à interface de gerenciamento do modem óptico.

Configuração de gerenciamento de acesso

     » Gerenciar acesso: selecione Desativar ou Ativar a função de ACL e pressione o botão Aplicar.

     » Habilitar interface: selecione para habilitar a interface LAN ou WAN.

     » Nome do serviço: selecione quais os serviços liberados pelo modem óptico e pressione o botão Incluir.

     » ACL tabela: lista todas as regras configuradas.

7.5.2. Filtro IP/Porta

Nesta página é possível restringir a rede local de acessar determinados IPs e portas.

Configuração de filtro IP/Porta

     » Ação Padrão: selecione o comportamento padrão da função Filtro IP/MAC:

           • Negar: negar apenas as regras adicionadas.

           • Permitir: permitir apenas as regras adicionadas.

     » Protocolo: selecione o protocolo utilizado pela regra.

     » Ação de regra: selecione a ação da regra:

           • Negar: negar a regra configurada.

           • Permitir: permitir a regra configurada.

     » Endereço IP de origem: insira o IP de origem que será aplicado à regra.

     » Máscara de subrede: insira a máscara de rede do IP de origem que será aplicada à regra.

     » Porta: insira a porta de origem inicial e final que será aplicada à regra. No caso de uma porta apenas, repita o mesmo valor nos campos.

     » Endereço IP de destino: insira o IP de destino que será aplicado à regra.

     » Máscara de subrede: insira a máscara de rede do IP de destino que será aplicada à regra.

     » Porta: insira a porta de destino inicial e final que será aplicada à regra. No caso de uma porta apenas, repita o mesmo valor nos campos.

     » Tabela de filtro atual: lista todas as regras configuradas.

7.5.3. Filtro MAC

Nesta página é possível restringir endereços MAC da rede local de acessar a internet.

Configuração de filtro MAC

     » Modo: selecione uma das opções de filtro MAC e pressione o botão Aplicar.

           • WhiteList: permitir apenas os endereços MAC adicionados.

           • BlackList: negar apenas os endereços MAC adicionados.

     » Endereço MAC: insira o endereço MAC desejado e clique em Incluir.

     » Tabela de filtro atual: exibe a tabela com todos os endereços MAC configurados.

7.5.4. Bloqueio URL

Nesta página é possível restringir o acesso a determinadas páginas web. O bloqueio é realizado através de palavras-chave presentes nas URLs.

Configuração de bloqueio URL

     » Bloqueio URL: para habilitar a função, selecione Ativar e pressione o botão Aplicar.

     » Palavra-chave: insira a palavra que deseja utilizar no filtro URL da regra.

7.5.5. Bloqueio de domínio

Nesta página é possível restringir o acesso a determinados domínios web.

Configuração de bloqueio de domínio

     » Bloqueio de domínio: para habilitar a função, selecione Ativar e pressione o botão Aplicar.

     » Domínio: insira o domínio de internet que deseja utilizar no filtro.

7.6. Firewall

Através deste menu é possível configurar regras de redirecionamento de portas.

7.6.1. Redirecionamentos

Nesta página é possível redirecionar serviços para um dispositivo específico atrás do NAT.

Configuração do redirecionamento de portas

     » Redirecionamentos: selecione Habilitar ou Desabilitar as regras e pressione o botão Aplicar.

     » Comentário: insira um comentário para a regra.

     » IP Local: insira o endereço IP do dispositivo de sua rede interna que receberá o tráfego redirecionado.

     » Porta local inicial: insira a porta ou faixa de portas para as quais o tráfego da internet será direcionado no dispositivo indicado no campo Endereço IP.

     Obs.: para inserir uma única porta, repita o mesmo valor nos campos (inicial - final).

     » Protocolo: selecione o protocolo de transporte a ser utilizado.

           • Both: a regra será aplicada tanto para o protocolo TCP quanto UDP.

           • TCP: a regra será aplicada apenas ao protocolo TCP.

           • UDP: a regra será aplicada apenas ao protocolo UDP.

     » Porta local final: insira a porta ou faixa de portas visíveis através da internet. O tráfego recebido nessas portas será redirecionado para as portas locais.

     Obs.: para inserir apenas uma única porta, repita o mesmo valor nos campos (inicial - final).

     » Interface: selecione a interface WAN que a regra será aplicada.

     » Tabela de redirecionamento de portas: exibe a tabela com as todas as regras configuradas.

7.6.2. DMZ

Nesta página é possível configurar um único dispositivo na DMZ. O dispositivo configurado na DMZ receberá todo o tráfego direcionado da internet para a rede local.

Configuração DMZ

     » Host DMZ: selecione Habilitar ou Desabilitar a função DMZ e pressione o botão Aplicar.

     » Host DMZ endereço IP: insira o endereço IP do dispositivo configurado na DMZ.

7.6.3. UPnP

Nesta página é possível configurar a função UPnP (Universal Plug and Play).

Ativação da função UPnP

     » Interface WAN: seleciona a interface WAN que deseja habilitar a função UPnP e pressione o botão Aplicar.

7.6.4. ALG

Esta página é usada para Ativar ou Desativar os serviços ALG.

Configuração ALG

     » Tipo ALG: Ativar ou Desativar os tipos de serviços ALG desejado.

7.7. Roteamento

Através deste menu é possível configurar rotas de acesso para as redes desejadas.

7.7.1. Rota estática IPv4

Nesta página é possível configurar rotas estáticas para endereços de rede que não estejam diretamente conectadas ao modem óptico

Configuração de rota estática

     » Ativar: selecione a opção para a inserção de uma rota estática.

     » Destino: insira a rede de destino desejado.

     » Máscara de subrede: insira a máscara de rede do endereço de destino.

     » Next Hop: insira o endereço IP do gateway de acesso à rede de destino. Se deixar sem essa informação, será necessário informar qual interface WAN será utilizada.

     » Interface: selecione a interface WAN desejada ou selecione Qualquer.

     » Mostrar rotas: ao pressionar o botão será exibida a tabela de roteamento.

     » Tabela de rotas estáticas: exibe as rotas estáticas configuradas.

Obs.: um máximo de 8 (oito) rotas estáticas IPv4 são permitidas.

7.8. Serviços

Através deste menu é possível configurar os serviços disponibilizados pelo modem óptico.

7.8.1. Fuso horário

Nesta página você pode configurar a sincronização da data e hora do sistema utilizando um servidor público de tempo pela internet.

Configuração do fuso horário

     » Hora atual: neste campo é possível verificar a data e hora utilizadas atualmente pelo sistema. Também é possível realizar a configuração manualmente, basta inserir as informações desejadas e pressionar o botão Aplicar.

     Obs.: informações inseridas manualmente serão perdidas em caso de reboot do modem óptico.

     » Selecionar fuso horário: selecione o fuso horário desejado.

     » Habilitar horário de verão: habilita a utilização do horário de verão.

     » Interface WAN: selecione a interface WAN utilizada para estabelecer comunicação com o servidor tempo da internet.

     » SNTP servidor: insira o endereço IP do servidor de tempo desejado.

7.8.2. TR-069

Nesta página é usada para configurar o TR-069 CPE. Aqui é possível alterar as configurações dos parâmetros de ACS.

Configuração de TR-069

Ativar/Desativar Serviços

     » Daemon TR-069: Ativar/Desativar serviço.

     » Ativar Parâmetro CWMP: Ativar/Desativar serviço.

ACS

Nesta aba você preenche as informações ACS onde o produto reportará periódicamente seu status ao servidor configurado.

     » URL: insira a URL de destino ACS.

     » Usuário: insira o usuário ACS.

     » Senha: insira a senha ACS.

     » Informação periódica: Ativar/Desativar reporte periódico de acordo com o tempo desejado no campo abaixo.

     » Intervalo de informação periódica: insira o tempo em segundos(s) que o equipamento irá realizar o envio de status ao servidor ACS.

Solicitação de conexão

Nesta aba você insere um Usuário e Senha para que o servidor TR069 possa gerenciar o equipamento.

     » Usuário: insira um usuário de sua preferencia.

     » Senha: insira uma senha de sua preferencia.

7.9. IPv6

Através deste menu é possível configurar os recursos disponíveis para o tráfego IPv6.

7.9.1. IPv6 LAN

Nesta página você pode configurar o endereço IPv6 da interface LAN do modem óptico.

Configuração IPv6 da interface LAN

     » Modo de endereçamento IPv6: selecione o modo de configuração IPv6 da interface LAN:

           • Desativar: desabilita as funcionalidades IPv6.

           • Auto: neste modo a interface de link local será configurada automaticamente.

           • Manual: neste modo é permitido que o usuário atribua um endereço IPv6 na interface LAN.

           Obs.: a Intelbras recomenda a utilização do modo Auto.

     » Endereço IPv6: habilitado somente no modo Manual: insira o endereço IPv6 desejado.

     » Tamanho de prefixo IPv6: habilitado somente no modo Manual: insira o tamanho do prefixo do endereço IPv6 desejado.

Obs.: ao modificar o modo de endereçamento da interface LAN será solicitado o reboot do modem óptico.

7.9.2. RADVD

Nesta página você pode configurar os parâmetros utilizados pelo serviço RADVD.

Configuração da mensagem RA

     » MaxRtrAdvInterval: tempo máximo para o envio de mensagens RA quando o modem óptico não receber nenhum RS (Router Solicitation).

     » MinRtrAdvInterval: tempo mínimo para o envio de mensagens RA quando o modem óptico não receber nenhum RS (Router Solicitation).

     » AdvManagedFlag (M) / AdvOtherConfigFlag (O): as flags M e O definem o método como os clientes aprenderão os endereços IPv6 do servidor DHCPv6:

           • Flag M (AdvManagedFlag): quando ativado, informa ao dispositivo conectado em sua interface LAN que o endereço IPv6 será atribuído através do servidor DHCPv6.

           • Flag O (AdvOtherConfigFlag): quando ativado, informa ao dispositivo conectado em sua interface LAN como utilizar o servidor DHCPv6 para o recebimento de outras configurações (DNS por exemplo).

Obs.: a opção padrão (M=off, O=on) é utilizada na configuração dos endereços IPv6 dos clientes conectados na LAN do modem óptico quando a opção de delegação de prefixo está habilitada nas configurações da WAN.

     » Modo do prefixo:

           • Auto: este modo é utilizado em conjunto com a opção de delegação de prefixo. Esta opção faz com que o modem óptico envie mensagens RA em sua LAN, conforme informações recebidas do servidor DHCPv6 de sua WAN.

           • Manual: este modo é utilizado para configurar os parâmetros e informações contidas nas mensagens RA transmitidas na LAN do modem óptico. Utilize esta opção apenas se solicitado por seu provedor de acesso.

7.9.3. DHCPv6

Nesta página você pode configurar o modo de funcionamento do servidor DHCPv6.

Configuração do servidor DHCPv6 (Auto)

     » Modo DHCPv6: selecione o modo de funcionamento do servidor DHCPv6:

           • Nenhum: desabilita o servidor DHCPv6.

           • Servidor DHCP (Manual): habilita a inserção manual das configurações do servidor DHCPv6. Utilize este método apenas se requisitado por seu provedor de acesso.

           • Servidor DHCP (Auto): habilita o envio automático do prefixo e outras informações de endereçamento IPv6 fornecidas por seu provedor de acesso.

7.9.4. Configurações MLD

Nesta página você pode configurar para habilitar os serviços de MLD Proxy/Snooping.

Configurações do recurso MLD

     » MLD Proxy: ao selecionar Ativar, a interface WAN selecionada atuará como proxy MLD.

     » MLD Snooping: ao selecionar Ativar, a interface LAN começará a fazer o snooping das mensagens MLD.

7.9.5. Roteamento IPv6

Nesta página você configura as rotas IPv6 estáticas utilizadas pelo modem óptico.

Configuração de rota estática IPv6

     » Ativar: selecione Habilitar para permitir a adição de rota IPv6 estática.

     » Destino: insira a rede IPv6 de destino e também o tamanho de prefixo da rede.

     » Next Hop: insira o endereço IPv6 do próximo salto (alcance) da rede de destino desejada.

     » Métrica: insira o valor da métrica utilizada pela rota.

     » Interface: selecione a interface utilizada para alcançar a rede de destino desejada.

     » Tabela de rota IPv6 estática: exibe a tabela com as rotas IPv6 configuradas manualmente.

7.9.6. Filtro IP/Porta IPv6

Nesta página é possível restringir a rede local de acessar determinados IPs e portas.

Configuração de filtro IPv6

     » Ação padrão: selecione a ação padrão para as regras inseridas (Negar ou Permitir).

     » Protocolo: selecione o protocolo utilizado pela regra.

     » ID da interface de origem: insira o ID IPv6 de origem utilizado pela regra.

     » ID da interface de destino: insira o ID IPv6 de destino utilizado pela regra.

     » Porta de origem: insira a porta ou faixa de portas de origem utilizadas pela regra.

     Obs.: para inserir uma única porta, repita o mesmo valor nos campos.

     » Porta de destino: insira a porta ou faixa de portas de destino utilizadas pela regra.

     Obs.: para inserir apenas uma única porta, repita o mesmo valor nos campos.

     » Tabela de filtro atual: exibe as regras de filtro IPv6 já aplicadas no dispositivo.

7.9.7. ACL IPv6

Esta página é usada para permitir/negar acessos a serviços executados no modem óptico.

Configuração ACL IPv6

     » Capacidade ACL IPv6: selecione Desativar ou Ativar a função de ACL e pressione o botão Aplicar.

     » Interface: selecione para Ativar a interface LAN ou WAN.

     » Nome do serviço: selecione quais os serviços liberados pelo modem óptico e pressione o botão Incluir.

     » Tabela ACL IPv6: lista todas as regras configuradas.

7.10. Diagnósticos

O menu Diagnósticos possibilita a realização de diagnósticos básicos de conectividade do modem óptico utilizando recursos como ping (IPv4/IPv6), Traceroute (IPv4 e IPv6) e detecção de loop em seus submenus.

7.10.1. Ping

Nesta página é possível executar o diagnóstico de ping para verificar a conectividade com outros dispositivos.

Configurações de diagnóstico Ping

     » Modo IP:

           • IPv4: se marcada esta opção, o campo Host de destino deverá ser preenchido apenas com números no formato IPv4.

           • IPv6: se marcada esta opção, o campo Host de destino poderá ser preenchido com alfa números no formato IPv6.

     » Host de destino: endereço IPv4/IPv6 ao qual deseja-se verificar a conectividade.

     » WAN interface: selecione a interface WAN que deseja utilizar no teste.

7.10.2. Traceroute

Nesta página é possível executar o diagnóstico Traceroute para verificar os saltos entre um determinado IP de escolha e o dispositivo.

Configurações de diagnóstico Traceroute

     » Host de destino: endereço IPv4/IPv6 ao qual deseja-se verificar os saltos.

     » WAN Interface: selecione a interface WAN que deseja utilizar no teste.

7.10.3. Detecção de loop

Esta página é utilizada para exibir o status e configurar os parâmetros de detecção de loop.

Configurações detecção de loop

     » Ativar detecção de loop: selecione Habilitar para ativar a detecção de loop.

     » Intervalo detecção: periodo de tempo que o sistema realizara a verificação. Tempo em segundos(s).

     » Intervalo de recuperação: quando detectado loop na rede, a interface ira desabilitar pelo tempo definido nesta função. Tempo em segundos(s).

     » Tipo de quadro: determina qual tamanho do frame para detecção do loop.

     » VLAN ID: determina uma ou mais VLANs de onde ira detectar o loop.

     Obs.: para untagged determinar VLAN 0(zero).

     » Status de detecção de loop: tabela informativa das configurações acima realizadas.

7.11. Sistema

Através deste menu é possível realizar configurações de manutenção do modem óptico, como por exemplo, alterar senha de acesso e realização de backups

7.11.1. Bridging

Esta página é usada para configurar os parâmetros de bridge. Aqui é possível alterar as configurações ou visualizar informações na bridge e nas portas anexas.

Configurações de bridging

     » Exibir MACs: esta tabela mostra uma lista de endereços MAC aprendidos.

7.11.2. Log do sistema

Nesta página é possível realizar a visualização das logs do sistema, analisando-as em diferentes níveis de complexidade, assim como salvá-las em um arquivo.

Configuração dos campos para capturar logs do sistema

     » Log do sistema: quando ativado será realizado a captura das logs do sistema, o nível de captura poderá ser configurado a seguir.

     » Nível de Log: nível de log que será capturado pelo sistema, para consultá-lo pode ser feito o download do arquivo de log.

     » Nível de exibição: nível de log que será exibido na tabela Log do sistema.

     » Salvar Log em arquivo: salva a log do sistema atual em um arquivo, o local onde será salvo será solicitado.

     » Limpar Log: limpa a tabela de log do sistema atual.

     » Log do sistema: tabela onde é exibido em tempo real o log do sistema (no nível de exibição) quando ativado.

7.11.3. Senha

Esta página é usada para realizar a alteração de senha dos usuários.

Configuração de senha

     » Usuário: selecione o nome de usuário que deseja alterar a senha.

     » Senha antiga: insira a senha antiga que será substituída.

     » Senha nova: insira a nova senha.

     » Confirmação de senha: confirme a nova senha.

7.11.4. Backup/Restaurar

Esta página permite fazer o backup das configurações atuais de um arquivo ou restaurar as configurações a partir do arquivo salvo anteriormente

Configuração de backup e restauração

     » Gerar backup: clique no botão Backup para salvar as configurações em seu computador.

     » Restaurar backup: para restaurar uma configuração previamente, selecione o arquivo de backup e clique no botão Restaurar.

     » Restaurar padrão fábrica: clique no botão Redefinir para restaurar o modem óptico para o padrão de fábrica.

     Obs.: o processo de restauração para o padrão de fábrica não altera os seguintes campos: GPON Vendor ID, LOID, Senha LOID e Senha PLOAM.

7.11.5. Atualização de firmware

Nesta página é possível realizar a atualização de firmware do modem óptico.

Atualização do firmware do modem óptico

     » Atualizar: selecione o firmware desejado e clique em Atualizar para atualizar o modem óptico.

     Obs.:o processo de atualização será realizado na partição em stand by da ONU.

7.11.6. Controle de versão

Nesta página é possível realizar a troca da versão de firmware atual, pela última versão de firmware utilizada no equipamento.

Controle de versão

     » Software em uso: versão de firmware que esta sendo utilizada no dispositivo.

     » Software alternativo: versão de firmware alternativa, esta será a versão que será substituída.

     » Alterar para versão: ao clicar no botão (que apresentará a numeração da versão de firmware anterior) será feita a troca de firmware.

7.11.7. Salvar/Reiniciar

Nesta página é possível realizar o salvamento das configurações realizadas e reiniciar o dispositivo.

Salvar/Reiniciar

7.12. Estatísticas

Através deste menu é possível visualizar estatísticas de pacotes recebidos e transmitidos por interface (LAN, WAN e PON).

Exibição das estatísticas dos pacotes por interface

Termo de garantia

Fica expresso que esta garantia contratual é conferida mediante as seguintes condições:

Nome do cliente:

Assinatura do cliente:

Nº da nota fiscal:

Data da compra:

Modelo:

Nº de série:

Revendedor:

Fica expresso que esta garantia contratual é conferida mediante as seguintes condições:

1. Todas as partes, peças e componentes do produto são garantidos contra eventuais vícios de fabricação, que por- ventura venham a apresentar, pelo prazo de 1 (um) ano, sendo este prazo de 3 (três) meses de garantia legal mais 9 (nove) meses de garantia contratual –, contado a partir da data da compra do produto pelo Senhor Consumidor, conforme consta na nota fiscal de compra do produto, que é parte integrante deste Termo em todo o território nacional. Esta garantia contratual compreende a troca expressa de produtos que apresentarem vício de fabricação. Caso não seja constatado vício de fabricação, e sim vício(s) proveniente(s) de uso inadequado, o Senhor Consumidor arcará com essas despesas.

2. A instalação do produto deve ser feita de acordo com o Manual do Produto e/ou Guia de Instalação. Caso seu produ- to necessite a instalação e configuração por um técnico capacitado, procure um profissional idôneo e especializado, sendo que os custos desses serviços não estão inclusos no valor do produto.

3. Constatado o vício, o Senhor Consumidor deverá imediatamente comunicar-se com o Serviço Autorizado mais próxi- mo que conste na relação oferecida pelo fabricante – somente estes estão autorizados a examinar e sanar o defeito durante o prazo de garantia aqui previsto. Se isso não for respeitado, esta garantia perderá sua validade, pois estará caracterizada a violação do produto.

4. Na eventualidade de o Senhor Consumidor solicitar atendimento domiciliar, deverá encaminhar-se ao Serviço Au- torizado mais próximo para consulta da taxa de visita técnica. Caso seja constatada a necessidade da retirada do produto, as despesas decorrentes, como as de transporte e segurança de ida e volta do produto, ficam sob a responsabilidade do Senhor Consumidoro.

5. A garantia perderá totalmente sua validade na ocorrência de quaisquer das hipóteses a seguir: a) se o vício não for de fabricação, mas sim causado pelo Senhor Consumidor ou por terceiros estranhos ao fabricante; b) se os danos ao produto forem oriundos de acidentes, sinistros, agentes da natureza (raios, inundações, desabamentos, etc.), umidade, tensão na rede elétrica (sobretensão provocada por acidentes ou flutuações excessivas na rede), instalação/uso em desacordo com o manual do usuário ou decorrentes do desgaste natural das partes, peças e componentes; c) se o produto tiver sofrido influência de natureza química, eletromagnética, elétrica ou animal (insetos, etc.); d) se o NÚMERO de série do produto tiver sido adulterado ou rasurado; e) se o aparelho tiver sido violado.

6. Esta garantia não cobre perda de dados, portanto, recomenda-se, se for o caso do produto, que o Consumidor faça uma cópia de segurança regularmente dos dados que constam no produto

7. A Intelbras não se responsabiliza pela instalação deste produto, e também por eventuais tentativas de fraudes e/ou sabota- gens em seus produtos. Mantenha as atualizações do software e aplicativos utilizados em dia, se for o caso, assim como as proteções de rede necessárias para proteção contra invasões (hackers). O equipamento é garantido contra vícios dentro das suas condições normais de uso, sendo importante que se tenha ciência de que, por ser um equipamento eletrônico, não está livre de fraudes e burlas que possam interferir no seu correto funcionamento.

8. Após sua vida útil, o produto deve ser entregue a uma assistência técnica autorizada da Intelbras ou realizar diretamente a destinação final ambientalmente adequada evitando impactos ambientais e a saúde. Caso prefira, a pilha/bateria assim como demais eletrônicos da marca Intelbras sem uso, pode ser descartado em qualquer ponto de coleta da Green Eletron (gestora de resíduos eletroeletrônicos a qual somos associados). Em caso de dúvida sobre o processo de logística reversa, entre em contato conosco pelos telefones (48) 2106-0006 ou 0800 704 2767 (de segunda a sexta-feira das 08 ás 20h e aos sábados das 08 ás 18h) ou através do e-mail suporte@intelbras.com.br.

Sendo estas as condições deste Termo de Garantia complementar, a Intelbras S/A se reserva o direito de alterar as caracterís- ticas gerais, técnicas e estéticas de seus produtos sem aviso prévio.

O processo de fabricação deste produto não é coberto pelos requisitos da ISO 14001.

Todas as imagens deste manual são ilustrativas.


Suporte a clientes: (48) 2106 0006

Fórum: forum.intelbras.com.br

Suporte via chat: intelbras.com.br/suporte-tecnico

Suporte via e-mail: suporte@intelbras.com.br

SAC: 0800 7042767

Onde comprar? Quem instala?: 0800 7245115

Produzido por: Intelbras S/A – Indústria de Telecomunicação Eletrônica Brasileira

Rodovia SC 281, km 4,5 – Sertão do Maruim – São José/SC - 88122-001

www.intelbras.com.br

Origem China